Transporte no Rio é lento e caro por falta de integração tarifária entre os modais

O deslocamento de outros 17 municípios da Região Metropolitana até o Centro do Rio, onde se concentram os serviços e os postos de trabalho, é lento e caro. A causa é a falta de integração física e tarifária entre os transportes. Por exemplo, com o Bilhete Único Intermunicipal é possível pegar um ônibus em outro município e o metrô e pagar R$ 8,55, mas se o passageiro não tiver direito ao benefício terá de desembolsar o valor de duas passagens, porque não existe integração tarifária sem subsídio do estado nesses modais.

A engenheira de Transportes e professora da Escola Politécnica da UFRJ, Eva Vider, afirma que a integração tarifária e física eliminaria vários problemas enfrentados pelos passageiros. “Entre os benefícios estão o menor custo total das passagens para os usuários que necessitam utilizar mais de um modo de transporte para realizar sua viagem, redução do tempo de espera e oferta de várias opções para seus deslocamentos”, detalha.

Segundo Eva Vider, a integração também seria vantajosa para as concessionárias porque reduz os custos de operação do sistema. “O uso de um único bilhete proporciona maior e melhor distribuição das demandas de passageiros nos diversos modos diminui o número de bilheteiros e melhora a utilização das estações e pontos de parada”, argumenta a engenheira de transportes.

O ponto de partida para pôr em prática a integração entre os modais no Rio é reunir as concessionárias e os poderes Executivo e Legislativo, para estudar qual o melhor plano de ação. “Em primeiro lugar, precisa haver vontade e poder dos agentes envolvidos na gestão da mobilidade urbana para implementação de uma coordenação institucional e legislativa entre eles, na definição do modelo adequado de integração”, explica Eva Vider. Esse planejamento inclui levantamento e acompanhamento dos custos de operação de cada modal, para embasar a política tarifária e de remuneração a ser escolhida.  “Deve ser considerada também a possibilidade da adoção de subsídios, diretos ou cruzados”, destaca a engenheira.

Para garantir a transparência da integração na bilhetagem eletrônica, Eva Vider recomenda que a operação e gestão da Câmara de Compensação Tarifária seja acompanhada online pelos poderes concedentes. “A câmara é necessária para o balanceamento da remuneração tarifária”, ressalta.

Secretaria estuda interoperabilidade

A integração tarifária, com redução de preços, está longe de ser realidade no estado do Rio. A Secretaria de Estado de Transportes ainda estuda soluções tecnológicas para interoperabilidade entre os modais. Na prática, os bilhetes emitidos por cada operadora passarão a ser aceitos por todas. “Isso possibilita ao usuário portar apenas um único cartão para pagamento de suas passagens”, comenta o secretário de Transportes, Rodrigo Vieira.

Segundo ele, um dos avanços é a possibilidade da aplicação de benefícios tarifários, como o Bilhete Único Intermunicipal, aos cartões de todas as operadoras.  “A interoperabilidade vai facilitar ainda mais a integração tarifária já existente, subsidiada pelo governo do estado”, destaca. Entretanto quem não tem direito ao Bilhete Único Intermunicipal pagará o preço integral da passagem.

Além das integrações tarifárias subsidiadas diretamente pelo governo do estado, a Secretaria de Estado de Transportes informa que busca junto às concessionárias e permissionárias outras formas de integração que reduzam os custos sem a necessidade de aporte público. “Sem que as integrações tragam impactos negativos ao equilíbrio econômico-financeiro dos respectivos contratos”, acrescenta. O órgão dá como exemplo a integração do metrô com o BRT e o caso do metrô com as vans legalizadas que realizam o transporte complementar na Rocinha e no Vidigal.

Foto: Tânia Rêgo/ Fotos Públicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.