Prefeitura encontra irregularidades em obras da Transcarioca

A 12 dias do segundo turno das eleições para o governo do estado, o prefeito Marcelo Crivella anunciou nesta terça-feira, 16 de outubro, a abertura de uma investigação para apurar a suspeita de irregularidades na construção do BRT Transcarioca, obra da gestão do ex-prefeito Eduardo Paes. Em coletiva à imprensa, o prefeito informou que os problemas foram encontrados por meio de dez inspeções feitas ao longo dos 39 quilômetros da via.

O prefeito negou que o anúncio tivesse qualquer relação com o período eleitoral e enfatizou que poderia ser culpado de prevaricação, caso, sabendo dos problemas, não tomasse as providências cabíveis.  “Há três semanas, houve judicialização por parte dos operadores do BRT, que entraram com ação pedindo à Prefeitura para pagá-los. Alegaram na Justiça que os ônibus estavam quebrando, devido às condições da pista. Depois, há uma semana, o ex-secretário de Obras da gestão anterior, Alexandre Pinto, disse, em delação premiada, que a obra foi combinada, sem fiscalização. Houve então esses dois fatos novos. E aí fomos verificar. E constatamos que a obra foi mesmo feita sem fiscalização”, argumentou Crivella. Pinto foi condenado nesta semana a 23 anos de prisão.

Crivella disse que em todos os trechos inspecionados foram encontradas irregularidades e que o prejuízo estimado é de pelo menos R$ 15 milhões somente em concreto. “Ao longo de todo o corredor faltaram 10 cm de espessura, em média, no concreto”, explicou o prefeito. O trecho mais crítico é o da Avenida Ministro Edgard Romero, em frente ao número 852, sentido estação de Vaz Lobo onde a espessura do concreto era de apenas 6 cm, quando a especificação era para 24 cm.

Entre as irregularidades encontradas ainda estão a presença de trincas no pavimento de concreto, desgaste, que geraram fendas, expondo barras de ligação ou armaduras, em consequência da aplicação de menor quantidade de concreto que o previsto, e ausência de materiais como barras de ferro e malha de aço, que ajudam a dar sustentação para a pista. Crivella disse ainda que o estado atual das pistas ofereceria risco de vida para a população.

Crivella determinou que as empresas responsáveis pelas obras, a Andrade Gutierrez, a OAS, a Carioca Engenharia e a Conter sejam convocadas para prestar esclarecimentos. Segundo o procurador geral do município, Roberto Sá, já foi aberto um inquérito administrativo para apurar as irregularidades encontradas. Dentro de sete dias as empresas precisarão apresentar suas defesas ao município. Também foi aberta uma sindicância para apurar a responsabilidade pela falta de fiscalização por parte de servidores da Prefeitura.

De acordo com Crivella, ao término do processo, o relatório de conclusão será encaminhado para o Ministério Público (MP), que vai decidir se abre investigação sobre o caso. O prefeito também ordenou que sejam feitas inspeções em outros dois corredores expressos do período Paes: o Transoeste e a Transolímpica. Não foram dados prazos, porém, para estas inspeções ocorrerem.

Procurado, o ex-prefeito Eduardo Paes afirmou ao jornal O Globo que a divulgação da informação confirma a preferência de Crivella por seu adversário no pleito para governador, o ex-juiz Wilson Witzel. Segundo Paes, são duas boas notícias. “O primeiro é saber que vai ter sindicância. Se houver irregularidade, tem que chamar a empreiteira que fez e mandar consertar. A segunda boa noticia é que a gente fica com a certeza que o Crivella está em campanha para o Witzel. A gente sabe que é uma parceria estabelecida”, declarou Paes ao Globo.

Em nota enviada ao O Globo, a Andrade Gutierrez informou que ” apoia toda iniciativa de combate à corrupção e que visa a esclarecer fatos ocorridos no passado. A companhia assumiu esse compromisso público ao pedir desculpas em um manifesto veiculado nos principais jornais do país e segue colaborando com as investigações em curso dentro do acordo de leniência firmado com o Ministério Público Federal. A empresa incorporou diferentes iniciativas nas suas operações para garantir a lisura e a transparência de suas relações comerciais, seja com clientes ou fornecedores, e afirma que tudo aquilo que não seguir rígidos padrões éticos será imediatamente rechaçado pela companhia”.

Procurada pelo O Globo, a Carioca Engenharia informou que não iria comentar. As outras empresas não responderam até a última atualização desta matéria.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.