Circulação dos trens sofrem alterações, após acidente

Um dia depois em que dois trens se chocaram, a Supervia, informou alterações na circulação das composições nas estações São Cristóvão, no sentido Central, e estação Praça da Bandeira, no sentido Deodoro, nesta quinta-feira (28/02). Segundo a concessionária, as mudanças foram necessárias para que os técnicos removam os destroços da colisão.

Os trens do ramal Deodoro não estão fazendo paradas na estação São Cristóvão em ambos os sentidos e param para embarque e desembarque na estação Praça da Bandeira. Segundo a SuperVia, os passageiros da estação São Cristóvão poderão embarcar em composições expressas dos ramais Japeri e Santa Cruz, , que circulam com intervalos de 4 minutos, e realizar a transferência para os demais ramais na estação Maracanã. Os intervalos das partidas do ramal Deodoro continuam irregulares. Os usuários estão sendo informados sobre a situação por meio do sistema de áudio dos trens e das estações.

No acidente, o maquinista de um dos trens, Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção, de 40 anos, morreu depois de ficar mais de 7 horas preso às ferragens de um dos trens que colidiram na manhã desta quarta-feira (27/02). Durante o resgate ele recebeu oxigênio, transfusão de sangue e soro, mas não resistiu. Outras oito pessoas ficaram feridas.

Termo de Ajustamento de Conduta

Em nota, nesta quarta-feira (28/02), a SuperVia informou que foi procurada pela Defensoria Pública do Estado do Rio, e assinou o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) como forma de buscar a reparação individual e coletiva dos danos provocados pelo acidente.

De acordo com o TAC, as vítimas terão 120 dias para buscar a reparação e precisam comprovar o dano ou terem procurado atendimento em uma unidade pública de saúde, entre esta quarta-feira (27/02) e esta quinta-feira (28/02).

A concessionária também vai distribuir 30 mil bilhetes para os passageiros do ramal Deodoro, nos próximos 30 dias, como medida de reparação coletiva e passará a integrar um grupo de prevenção de acidentes, a ser criado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro. 

Para esclarecer dúvidas, as vítimas podem entrar em contato por meio do SuperVia Fone 08007269494 ou a Defensoria Pública, pelo número 21 28682100/ ramal 297 ou o e-mail coletivadefensoria@gmail.com.

Agetransp investiga causa da colisão

A Agência Reguladora de Serviços de Transporte do Estado do Rio (Agetransp) abriu sindicância para apurar as causas do acidente entre dois trens. Os técnicos trabalham com três hipóteses principais, para explicar a colisão. A investigação deve apurar se houve falha do sistema ferroviário, falha de procedimento de um dos envolvidos no acidente, como avanço de sinal, por exemplo; e falha humana. O prazo inicial para conclusão da sindicância é de 30 dias.

Já a investigação criminal sobre a colisão está sendo feita pela Polícia Civil, que abriu inquérito para apurar a responsabilidade pela morte de um maquinista e os ferimentos causados em outras oito pessoas.

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.