Obra em trecho da Av. Brasil é suspensa por causa de gasoduto

A 9ª Vara de Fazenda Pública determinou que a Prefeitura suspenda as obras de concretagem de três galerias pluviais na Avenida Brasil, entre os bairros da Penha e Ramos. A decisão liminar atendeu pedido da Naturgy, antiga CEG, que aponta para a ameaça de ruptura de um gasoduto de alta pressão que abastece toda a região do Centro, Zona Sul e parte da Zona Norte. Ainda segundo a companhia, um acidente no local poria em risco milhares de pessoas e veículos que circulam na principal via expressa da cidade.

O juiz Marcello Alvarenga Leite nomeou, em 17 de dezembro, um perito judicial para vistoriar o local e apresentar o laudo pericial com a maior brevidade possível. “Em face do exposto, defiro parcialmente a tutela de urgência para determinar, tão somente, a suspensão das obras de concretagem na Avenida Brasil, nos trechos apontados na exordial, que deverão ser vistoriados, analisados e o laudo apresentado pelo perito no prazo de até 72 horas. Após a apresentação do laudo, voltem imediatamente conclusos para a continuidade ou não da suspensão da obra de concretagem nos trechos indicados”, diz um trecho da liminar.

A Prefeitura e o Consórcio Transbrasil, responsável pelas obras do corredor BRT na Avenida Brasil, terão que apresentar, de imediato, os documentos necessários ao trabalho do perito, discriminando, em especial, a existência de laudo técnico acerca da segurança da obra, bem como análise crítica sobre possíveis rupturas ou abalos à rede local de tubulação de distribuição de gás encanado.

“Deverá ser esclarecido, ainda, pelas partes e pelo perito se a obra e o custo do remanejamento do gasoduto, já existente no local, foi previsto no projeto e no contrato celebrado entre os réus. Em caso negativo, que seja objetivamente justificado o motivo da ausência, haja vista sua previsibilidade e necessidade de cuidado especial em razão da existência de gasoduto de alta pressão que alimenta grande parte da cidade do Rio de Janeiro”, destacou o juiz.

Na ação, a CEG informa que o gasoduto de aço foi construído entre os anos 1981 e 1983. A empresa diz que tentou a suspensão das obras de concretagem e o acordo para pagamento dos custos de remanejamento do ramal, mas sem êxito. E informa que, “caso a concretagem ocorra, há o risco iminente de ruptura da tubulação, tendo em vista a carga não projetada sobre este duto, além dos danos acarretados durante a execução da concretagem”.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.