Rodoviários da Baixada Fluminense trabalham sem máscaras

Motoristas e cobradores que rodam na Baixada Fluminense estão trabalhando sem máscaras e sem ter álcool em gel, para evitar o contágio pelo coronavírus. Eles dizem que não recebem os equipamentos básicos de proteção contra a Covid-19.

Na manhã desta quinta-feira (16/04), o RJTV flagrou, em uma hora, vários profissionais sem máscaras em Belford Roxo. Vídeos encaminhados à produção do RJ1 mostram situação parecida em Duque de Caxias.

Um profissional, que pediu para não ser identificado disse que não recebe os equipamentos: “Eu acho uma covardia isso que eles fazem com os motoristas rodoviários. Eu sou motorista rodoviário urbano, entendeu, e não estou recebendo nenhum auxílio da empresa em relação a álcool gel e máscara. Estamos sendo abandonados e o risco de obtermos uma contaminação aí e levarmos até mesmo pros nossos próprios parentes em casa”, disse ao RJ1.

Para resguardar a saúde desses profissionais, o deputado Dionísio Lins (Progressita), encaminhou ao governador Wilson Witzel, indicação em que solicita em caráter excepcional, que as empresas de ônibus e os consórcios, além de barcas, Metrô e SuperVia, forneçam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos trabalhadores. Nesse caso, o EPI é composto de máscara e filtro, além de luvas.

Segundo o parlamentar, as barcas, o Metrô e os trens, empregam cerca de 1.100 funcionários que atuam em contato com o público. Já nos ônibus são 26 mil motoristas e cobradores. “Essas funções são de suma importância para que a cidade continue ativa nesse momento de epidemia, já que lidam todos os dias com milhares de pessoas e acabam ficando expostos à possibilidade de contaminação. Isso sem falar no setor de segurança e saúde, que passa pela mesma situação. Por isso a importância desses profissionais estarem minimamente seguros para exercer sua função”, destacou Dionísio.

Sindicato pedirá ajuda ao governo

O sindicato das empresas de ônibus disse que vai ter uma reunião na tarde desta quinta-feira com o governo do estado para tratar de ajuda financeira para compra dos equipamentos para os funcionários.

As empresas Vera Cruz, Trel, Flores, Machado e Santo Antônio informaram que distribuem kits de proteção com apoio do Sest e Senat, nos terminais de Duque de Caxias.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.