Profissionais da SuperVia recebem 30 mil máscaras

A SuperVia distribuiu 30 mil máscaras de pano reutilizáveis a todos os trabalhadores do sistema ferroviário que atuam em contato com o público, como forma de evitar o contágio pelo coronavírus. Além do acessório de proteção, houve distribuição de álcool gel e material informativo sobre prevenção à Covid-19.  “Mais de 400 maquinistas e controladores de tráfego, além de outros 1.880 profissionais de estações, de segurança e de manutenção da SuperVia, continuam trabalhando em seus postos, para garantir a manutenção do serviço dos trens, informa a empresa.

Segundo a concessionária, até o momento, dez mil máscaras já foram entregues a todos os funcionários. Até o final da distribuição, cada colaborador receberá pelo menos cinco máscaras, para que possa higienizá-las e trocá-las de acordo com as orientações das autoridades de saúde. No ato do recebimento, eles são informados sobre o uso correto das máscaras por comunicado impresso ou vídeo.

Triagem de saúde e higienização especial dos ambientes de trabalho, trens e estações

A Supervia informou ainda que no Centro de Controle Operacional (CCO), de onde os trens e estações são controlados e monitorados 24 horas por dia, o acesso foi restrito apenas aos profissionais indispensáveis ao setor e uma triagem de saúde foi implementada.

“Durante a troca de turnos, todos os colaboradores, antes de acessarem o CCO, são avaliados em uma sala anexa por um profissional de saúde. Ele verifica temperatura, pressão arterial, batimento cardíaco, nível de saturação de oxigênio e faz ausculta pulmonar, além de checar se há alguma queixa de sintoma da Covid-19. Em paralelo, uma equipe especial de limpeza higieniza com álcool 70% todos os objetos que são compartilhados, como computadores e mouses. O mesmo ocorre nas cabines dos maquinistas”, destaca a empresa. 

De acordo com a concessionária, desde o dia 14/03, equipes extras de limpeza realizam a desinfecção dos trens, quando chegam à Central do Brasil, e das estações com maior movimentação de passageiros. “A limpeza é feita no interior das composições (balaústres, alças pega-mão, e bagageiros), nas catracas e validadores. A concessionária também está utilizando os seus canais de comunicação para divulgar informações de prevenção à doença”, explica a nota. 

Desde que um decreto estadual proibiu a circulação de ônibus intermunicipais, este é o único meio de transporte de trabalhadores das áreas essenciais entre a Baixada Fluminense e a capital do estado. 

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.