BRT fecha 7 estações do Transcarioca que foram depredadas

O BRT fechou, nesta terça-feira (19), sete estações do corredor Transcarioca, devido a atos de vandalismo. As paradas depredadas foram Olaria, Arroio Pavuna, Divina Providência, Pedro Taques, Guaporé, Cardoso de Morais e Santa Luzia. Com o fechamento dos pontos, as linhas 42E (Galeão – Santa Efigênia) e 35 (Madureira – Alvorada) não realizam as paradas nas estações interditadas.

Segundo o consórcio, das 125 estações que o BRT opera, 84 foram furtadas e vandalizadas nos últimos dois meses. “O número de ocorrências chegou a 160. A maior parte destas ações criminosas aconteceu no corredor Transcarioca. Só nesse trecho foram 87 ocorrências. Já nos corredores Transoeste foram 48; e no Transolímpica, 25”, diz a nota. Segundo a empresa, têm se tornado recorrentes no sistema os furtos de cabos elétricos, perfis de alumínio, bebedouros e fitas de led, além de depredação de catracas, bilheterias e vidros.

Por meio de nota, o BRT reforça que a segurança dos terminais e das estações é atribuição do poder público, de acordo com a legislação. “Os controladores trabalham apenas para orientar os passageiros para a operação do sistema. Ou seja, eles não têm poder de polícia, assim como os motoristas dos articulados”.

O consórcio destaca ainda que só a ação integrada e efetiva das autoridades, seja através das secretarias municipais de Transportes, de Infraestrutura e de Ordem Pública ou com as polícias Civil e Militar, assim como a participação da população na preservação de ônibus articulados e estações, será possível reverter essa situação. “Diante disso, e certo de que somente com a forte atuação do poder público conseguiremos reverter essa situação, nesta quarta-feira (20/05) o BRT Rio está reiterando a órgãos do Município e do Estado a necessidade de medidas urgentes de combate à ação dos criminosos”, conclui o comunicado.

Foto: Divulgação BRT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.