Fiscais constatam que só 63% da frota do BRT está em operação

A Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) realizou fiscalização em diversas garagens do BRT, na madrugada desta segunda-feira (15/06), com o objetivo de verificar a quantidade de veículos estacionados e quantos realmente circulam, para atender à população. Passageiros têm reclamado da superlotação dos articulados. Segundo a Secretaria, durante a pandemia, mais de 930 multas foram aplicadas por lotação e outras inconformidades nos serviços do BRT.

Dos 238 ônibus encontrados nas garantes das empresas Redentor, Futuro, Pégaso, Normandy e Jabour, apenas 149 deles entraram em operação, o que representa 63% da frota localizada. Também foram encontrados 89 veículos quebrados, a maioria deles por problemas mecânicos.

A SMTR informou que a frota do BRT que deveria estar em circulação é de mais de 376 veículos. A pasta afirma que esse montante foi estabelecido para que seja respeitado o intervalo entre os ônibus, proporcionando agilidade e maior conforto à população. “Esta ação é de extrema relevância para inspecionar o número real de ônibus do BRT nas garagens e a frota que está saindo para atender à população. O objetivo da prefeitura, especialmente neste momento de retomada das atividades, é atuar para manter o transporte funcionando de forma plena e segura para a população, e vai cobrar pontualmente dos operadores as inconformidades encontradas”, destacou o secretário municipal de Transportes, Paulo Jobim.

Além do número de veículos, a fiscalização desta segunda-feira verificou a higienização dos ônibus e a manutenção deles. De acordo com a secretaria, todos os articulados que saíram das garagens estavam devidamente higienizados, com motoristas usando máscara.

“Os fiscais vão continuar atuando, de forma incansável para verificar os serviços prestados aos passageiros. Com a retomada de algumas atividades, mesmo com limitação eventual de circulação de pessoas, os ônibus precisam operar de forma plena e eficaz. Precisamos unir forças para que essa retomada seja responsável e que o transporte público não seja mais um vetor de transmissão do vírus. A solidariedade e a responsabilidade com a saúde devem nortear nossos passos e decisões”, afirmou o subsecretário de Transportes, Allan Borges.

Segundo a SMTR , as ações continuarão ocorrendo de forma reforçada, tanto em garagens quanto em estações e terminais, para a verificação dos serviços prestados à população. Se irregularidades forem encontradas, o BRT será notificado e autuado.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.