Covid-19: Sindicato dos Rodoviários vê perigo em ônibus lotados

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Sebastião José, critica os decretos da prefeitura, que, segundo ele, um dia determina o transporte de passageiros sentados e logo em seguida em pé. “Não dá para entender, mas fica a pergunta: quem vai fiscalizar a lotação desses veículos e o uso de máscaras e álcool gel pelos usuários?”, indaga Sebastião José.

Para ele, essa fiscalização tem que ser feita Guarda Municipal e Polícia Militar. “Não se pode imputar essa responsabilidade ao motorista ou ao cobrador, que não possuem poder de polícia”, destaca.

José Carlos lembra ainda que durante a pandemia 41 rodoviários morreram infectados no Rio pelo coronavírus e o número de infectados chega a 139.

Ônibus lotados

O vice-presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio (Sintraturb Rio), José Carlos Sacramento também criticou a autorização dada pela prefeitura para que as empresas transportem passageiros em pé. Para Sacramento, a lotação dos coletivos anula outras medidas de prevenção ao contágio do coronavírus.

Entretanto, Sacramento elogiou a determinação da prefeitura de obrigar os ônibus de rodarem com as janelas abertas e o ar-condicionado desligado como forma de prevenir o contágio do coronavírus. “Nesse momento de pandemia é mais do que prudente que os coletivos circulem com as janelas abertas, mas permitir que as empresas transportem passageiros em pé torna a medida praticamente ineficiente”, argumenta Sacramento. Ele afirma que o sindicato apoia a determinação da Prefeitura, mas somente no transporte de passageiros sentados.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.