Alerj cobra explicações sobre redução de horários das Barcas

Os moradores da Ilha do Governador estão preocupados com a possibilidade de a CCR Barcas reduzir ainda mais os horários que atendem ao bairro. Eles fizeram denúncia à Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa, que encaminha nesta quinta-feira (08/01) para o secretário estadual de Transportes, requerimento de informações, cobrando explicações da pasta. No documento, o presidente da comissão, o deputado Dionísio Lins (Progressista), pediu para que sejam enviados a cópia do contrato de concessão com todos os termos aditivos. O parlamentar solicita ainda o valor arrecadado nos últimos três anos, a grade de horários em vigor nas linhas que atendem Paquetá, Cocotá, Ilha do Governador, Araribóia e Charitas, o preço de cada tarifa e a margem líquida de lucro nas linhas operadas dentro da Baía de Guanabara.

Dionísio Lins pede também o número de embarcações que operam nas linhas da Baía, tempo de uso das embarcações, sua capacidade de transporte e quantos passageiros são transportados diariamente, o gasto mensal com combustíveis e com a folha de pagamento de funcionários e terceirizados; além de cópias dos contratos de publicidade.   

“Em minha opinião, toda essa situação caracteriza uma verdadeira chantagem. Alegar que atualmente existem poucos usuários é covardia. Até quando vamos aceitar que uma empresa que possui uma concessão, prejudique a população e encoste o governo na parede? – questiona Dionísio Lins.

Ele lembra ainda que no início do ano o legislativo estadual fez um aporte de R$ 5 milhões para a CCR Barcas, que garantiu que com esse valor retornaria com os horários da antiga grade para a Ilha do Governador e Paquetá, mas nada aconteceu; o que para ele foi uma enorme traição. “Há tempos que essa empresa faz o que quer com o estado e nada é feito. A população é que não pode ficar refém de uma empresa que não entrega o que promete e nem pagar essa conta”, disse.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.