CPI dos Trens quer o retorno do expresso no ramal Santa Cruz

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Trens, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), realizaram, nesta segunda-feira (02/05), vistoria no ramal Japeri. Durante a inspeção, a presidente da CPI, deputada Lucinha (PSD), destacou que é preciso abrir uma excepcionalidade no decreto de calamidade pública, para que o trem expresso volte a circular de Santa Cruz à Central do Brasil. “Vou solicitar essa excepcionalidade, para que esse decreto não vigore nos transportes públicos, já que comércio, indústria e serviços já estão sendo normalizados. É uma demanda antiga da população de Santa Cruz, são mais de duas horas no trem”, disse Lucinha.

Em vez de ir direto de Santa Cruz à Central, na estação Deodoro, as pessoas têm de sair correndo para pegar outra plataforma onde embarcam em outro trem expresso. “É um deslocamento desnecessário. Queremos fazer esse levantamento para que, no relatório final, a gente possa apontar que a Supervia é a grande responsável por esse serviço precário”, destaca a parlamentar

O funcionamento do trem expresso foi interrompido durante a pandemia por um decreto  que regulamentou o estado de calamidade pública, para tentar cumprir o distanciamento social.

Integrante da comissão, o deputado Luiz Paulo (PSD) ressaltou que identificou os mesmos problemas verificados na vistoria realizada na última segunda-feira (25/04) no ramal Santa Cruz – lixo nas margens da linha férrea, buracos nas paredes, dormentes em mau estado, falta de acessibilidade.

De acordo com o parlamentar, o valor da passagem não é condizente com o serviço ofertado à população fluminense. “Nas estações de Santa Cruz nem banheiro tem. O sistema de drenagem está todo entupido, há um matagal imenso e muita sujeira. O ramal ferroviário é o que organiza o transporte na Região Metropolitana, e com esse transporte precário há perdas de emprego e consequentemente queda no desenvolvimento econômico e social. O Pacto RJ deveria investir recursos para reestruturar o sistema ferroviário”, afirmou Luiz Paulo.

O deputado Waldeck Carneiro (PSB) apontou que a atuação da comissão conteve o aumento de 40% no preço da passagem e enfatizou que o governo do estado precisa inspecionar a qualidade do serviço prestado pela Supervia. “É necessário que haja uma fiscalização rigorosa e qualificada na concessão. A Agetransp, em sessão da CPI, afirmou que só conta com dez fiscais em convênio com a Central Logística para fiscalizar 270 quilômetros de malha ferroviária e 104 estações. O interesse público do usuário, do trabalhador que pega o trem diariamente não está sendo levado em conta”, observou o parlamentar. Também participaram da vistoria as deputadas Martha Rocha (PDT) e Enfermeira Rejane (PCdoB), além do deputado Eliomar Coelho (PSol).

Foto: Divulgação/ Setrans

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.