Recuperação dos ônibus é prioridade para população

A Prefeitura do Rio anunciou um novo esquema de bilhetagem digital, que deverá entrar em operação em março de 2022 e estará funcionando plenamente em 2023. A justificativa para troca do atual sistema é dar mais transparência às operações do transporte público e, assim, a partir daí reestruturar o serviço. Esse tempo de espera é longo demais para a população que enfrenta dificuldades todos os dias para se deslocar. Entretanto, o Poder Municipal aposta na mudança da bilhetagem, que hoje atende às necessidades dos usuários, para resolver os problemas para a oferta de transporte digno, que é emergencial.


Na apresentação do novo modelo, não fica claro quais são os benefícios dessa substituição do esquema para o usuário, que passará, por exemplo, a ter de usar dois cartões – um municipal e outro estadual – para se movimentar. Com isso, as integrações entre os modais poderão ficar prejudicadas. Outra questão importante é como vai funcionar o vale social, benefício pago pelo governo estadual para pessoas em tratamento de saúde ou portadores de deficiência, e a gratuidade para alunos que moram em outros municípios e precisam embarcar em ônibus no município do Rio de Janeiro.


Outro ponto não esclarecido foi como a Prefeitura vai alocar o saldo remanescente dos cartões em um fundo municipal destinado à mobilidade urbana. Estes recursos pertencem aos usuários e não à administração pública, sem levar em conta a complexidade para se determinar qual quantia pertencerá ao Bilhete Único Carioca ou ao Bilhete Único Intermunicipal.


A recuperação do sistema de ônibus é urgente. A solução aguardada pelos operadores para assegurar a continuidade do serviço é a mudança do modelo de custeio dos transportes – financiado unicamente pela tarifa paga pelos passageiros –. Atrelada à troca do sistema de bilhetagem, não há data para essa nova forma de remuneração entrar em vigor o que prolonga a crise das empresas, com a falta de recursos para manutenção da frota, compra de combustível e pagamento dos rodoviários, aumentando o sofrimento da população usuária do transporte público municipal.


Em resumo, para garantir o direito do cidadão ao transporte, a articulação entre as autoridades e o Riocard é fundamental, para que o passageiro não seja afetado desnecessariamente. Não é preciso destruir um sistema que atende à população por outro que levará, pelo menos dois anos, para funcionar plenamente, adiando a restauração do sistema de ônibus, que é urgente.

O que os usuários dos transportes exigem do Executivo, no período pós-pandemia, é rapidez de respostas para os problemas que eles enfrentam no dia a dia. Se a atual bilhetagem requer ajustes por que não fazer as alterações no sistema para aumentar a transparência e reforçar a fiscalização? Ganha-se tempo e não se desperdiçam recursos.

Foto: Divulgação

Editorial

Denise de Almeida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.