Sintronac denuncia violência contra diretores da entidade

Um grupo de pessoas tentou invadir, usando a força, as sedes do Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), no Centro de Niterói e em Alcântara, São Gonçalo na manhã desta terça-feira (28/12). Os atos foram impedidos por diretores da entidade – um deles sofreu violência física – e o presidente, Rubens dos Santos Oliveira, terminou vítima de ameaça. A Polícia Militar foi acionada, conseguiu conter os agressores do líder classista e um registro de ocorrência foi feito na 76ª Delegacia de Polícia.


“Há uma nítida ação política por trás desse grupo, que, à margem da Legislação, quer “tomar de assalto” um sindicato de trabalhadores, usando o torpe caminho da violência, em ameaça direta ao Estado Democrático de Direito”, afirmou o Sintronac por nota.


A direção do Sindicato disse que não é a primeira vez que esse grupo, que se autointitula como “oposição” à diretoria do Sintronac, tenta invadir as sedes da entidade. De acordo com os dirigentes, fato análogo ocorreu no dia 8 de dezembro, quando a Polícia Militar também foi acionada e impediu desdobramentos com consequências mais graves. A nota informa ainda que não é a primeira vez que o presidente do sindicato é alvo de ameaças – inclusive contra sua vida – e tentativas de intimidação.


“O Sintronac tomará as devidas providências junto às autoridades públicas para impedir novas ações violentas desse grupo. Há uma linha tênue entre a livre manifestação de pensamento e a violação criminosa da Democracia. Os verdadeiros cidadãos nunca a cruzam”, finaliza a nota.


Leia a nota do Sindicato na íntegra


Violência contra diretores do Sintronac

 Na manhã desta terça-feira (28/12), um grupo de pessoas tentou invadir, usando a força, as sedes do Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), no Centro de Niterói e em Alcântara, São Gonçalo. Os atos foram impedidos por diretores da entidade – um sofreu violência física – e o presidente, Rubens dos Santos Oliveira, terminou vítima de ameaça. A Polícia Militar foi acionada, conseguiu conter os agressores do líder classista e um registro de ocorrência foi feito na 76ª Delegacia de Polícia.
Não é a primeira vez que esse grupo, que se autointitula como “oposição” à diretoria do Sintronac, tenta invadir as sedes da entidade. Fato análogo ocorreu no dia 8 de dezembro, quando a Polícia Militar também foi acionada e impediu desdobramentos com consequências mais graves. Ao mesmo tempo, não é a primeira vez que o presidente do sindicato é alvo de ameaças – inclusive contra sua vida – e tentativas de intimidação.
O que, contudo, torna ainda mais graves os fatos ocorridos nesta terça-feira é que: primeiro, existe claramente o planejamento, a organização e a execução de atos violentos contra diretores de um sindicato de trabalhadores; segundo, esses atos são implementados por um pequeno grupo, com apoio de elementos alheios à classe rodoviária, em uma mistura de política partidária com política sindical; terceiro, esses atos ocorrem no momento em que o Sintronac conduz negociações importantes para assegurar os direitos dos trabalhadores junto a empresas e governos; e, quarto, as ações violentas ocorrem no horário em que muitos idosos aposentados recorrem ao sindicato para atendimento no Departamento Médico.
Esse mesmo grupo agressor, quando o Sintronac convocou eleições para sua diretoria, que deveriam ter sido realizadas em julho do ano passado, sentindo que não formaria maioria junto aos trabalhadores, recorreu aos tribunais para adiar o pleito. Hoje, o processo está paralisado na Justiça do Trabalho, graças à ação movida por essas próprias pessoas. A partir desse fato, esse grupo tentou invadir assembleias da categoria, atirando, inclusive, artefatos explosivos durante os eventos; bloquear a circulação de ônibus, “fechando” garagens de empresas em Niterói e São Gonçalo, sem a legitimação desses atos por assembleias de trabalhadores; e, agora, diante da total falta de representatividade de seus membros para com os rodoviários, usam a violência direta contra integrantes da diretoria do Sintronac.
Releva ainda salientar que, na ação proposta pelos invasores, a Justiça determinou a suspensão das eleições até que ocorra o trânsito em julgado da ação, ou seja, que não caiba mais recursos. Entretanto, os invasores estão violando decisão judicial em ação que eles próprios são autores.
É, portanto, estarrecedor que uma diretoria eleita democraticamente para cumprir um mandato em uma entidade protegida pela Constituição Federal esteja na mira de um grupo, cujos interesses claramente vão além da simples causa trabalhista.
Há uma nítida ação política por trás desse grupo, que, à margem da Legislação, quer “tomar de assalto” um sindicato de trabalhadores, usando o torpe caminho da violência, em ameaça direta ao Estado Democrático de Direito.
O Sintronac tomará as devidas providências junto às autoridades públicas para impedir novas ações violentas desse grupo. Há uma linha tênue entre a livre manifestação de pensamento e a violação criminosa da Democracia. Os verdadeiros cidadãos nunca a cruzam.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.