Av. Niemeyer e Estrada das Canoas continuam bloqueadas

A Avenida Niemeyer segue totalmente interditada, em ambos os sentidos, para o trabalho de contenção de encostas, remoção da lama e de árvores com risco de queda onde ocorreu um deslizamento de terra durante o temporal da última quarta-feira (06/02). O Centro de Operações Rio informa que, para os moradores da região, a via está liberada no trecho entre o Leblon e o Vidigal. Os outros motoristas que trafegam entre a Gávea e São Conrado podem utilizar o Túnel Zuzu Angel.

A Estrada das Canoas também segue interditada, após o temporal. O bloqueio ocorre na altura do nº 813, em São Conrado, devido à queda de árvore no local.

Segundo o Alerta Rio, com a aproximação de uma frente fria, que provocará aumento gradativo da nebulosidade, há previsão de pancadas de chuva fraca a moderada, em pontos isolados, a partir da noite desta terça-feira (12/02).

Já na quarta-feira (13/02), devido à passagem desta frente fria, há previsão de céu nublado a encoberto, com pancadas de chuva forte a muito forte, a qualquer hora do dia, sendo mais intensas a partir da tarde, podendo vir com rajadas de vento forte a muito forte, e raios.

O Rio permanece em Estágio de Atenção, na manhã desta segunda-feira (11/02). O calor continuará e um sistema de alta pressão permanecerá influenciando as condições do tempo. Segundo o Alerta Rio, o céu ficará parcialmente nublado a claro, sem chuva. A temperatura máxima prevista é de 38 graus e mínima de 23graus.

Sobe para sete os mortos no temporal

Com a morte de Áureo Ribeiro da Paz, de 64 anos, neste domingo (10/02), sobe para sete o número de vítimas do temporal, que se abateu sobre o Rio a última quarta-feira(06/02) . A mulher de Áureo, Isabel Paz, de 56 anos, e o filho, Mauro Paz, de 33, também morreram soterrados. 

As outras vítimas da enxurrada são o advogado Mário Salles Pereira de Lucena, de 36 anos, e a bacharel em Direito Thamires Alves dos Santos, 24, que estavam no ônibus atingido por um deslizamento na Avenida Niemeyer; a doméstica Adriana Maria dos Santos, de 44 anos, morta num desabamento na Rocinha; e uma vítima identificada apenas como Marisa, no Vidigal.

De acordo com a Prefeitura, da madrugada de quinta-feira (7/02) até esta segunda-feira (11/02) foram interditados pelos técnicos 133 imóveis em toda a cidade. As áreas da Rocinha, Vidigal e São Conrado permanecem como prioridades. No Vidigal, 44 famílias foram atendidas, destas, 33 estão desalojadas; na Rocinha, sete famílias tiveram de sair de suas casas e, na Vila das Canoas, 28. Segundo a Prefeitura, todas recusaram abrigo.

Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.